O tempo é o vão…………

Velho tempo,

pensas que me enganas

que estás a passar

estás estaqueado

quem passa sou eu

troco de vestes

assisto guerras ,ouço falar de paz,

onde eu estiver mudo teu cenário , tu inabalável ficas a assistir

nada invento, nada crio, tudo já sabes, ja assististes

num tropeço, desvendo teus segredos

guardas as Eras me fazes ver o que eu era

ocultas meus caminhos

percebes a ira

assistis a tudo, mas nunca passas…

inventaram as horas, relógios prá te marcar e mesmo que parem tu estás lá

no fundo, de nossos fundos sem fundo,

és imune, nada te trava, nada te adianta

retratas espaços inexistentes

assistis transformações quieto, taciturno

e num galope rasante, me atiro ao encontro do nada

o nada que escondes o nada que fazes

no teu ócio na espera insana de teu passar e o tudo  que nunca farás , pela inexistência que tens

me fizeram crer que passarias, por comodismo, por utopia

mas a muito já descobri tua armadilha

és irmão de um livre- arbitrio que me cederam, parente da democracia discursada

tantos caminhos, tantas opções….

brincam comigo ,brincam com todos ,vivemos atados,prisioneiros, por sútis correntes invisíveis

cartas marcadas, destinos traçados de apenas um caminho, uma verdade

de várias vidas fingidas em ser um outro um outro alguém,um outro nome

mas só tu sabes….

somos os mesmos

forneces cordas limitadas, invisíveis

te fazes de santo

me atiro no canto sei teu segredo e sabes dos meus

te deixo de lado reescrevo teu cenário, em teus espaços que dizes vazios

não és mais que eu

nem eu mais que tu

mas personagens,de um ciclo de vida…que insistes

te fazes de ancora, no oceano da vida tão fundo, tão atraente, exposto e desconhecido

eu viro iceberg a passar por ti a navegar esse oceano

mas  nós dois prisioneiros sabemos o que somos e onde irei…

tu ficarás inerte a ver passar

Velho tempo…tão velho quanto eu tão escravo quanto tudo e todos

mas guarda em silêncio tudo que assiste não participa….apenas assiste…

calado….

Rosana Corrêa

Anúncios

Sobre belbute

"A mente que se abre a uma nova idéia, jamais retornará ao seu estado original" (Albert Einstein)
Esse post foi publicado em Rosana Corrêa. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s