Arquivo da categoria: Carmem Macedo

PANO PRA MANGAS

Que os tempos mudaram e, com o tecido que antigamente se fazia um lenço hoje se faz um vestido de baile, não é nenhuma novidade. Também não é novidade que, proporcionalmente ao volume de fazenda utilizada na confecção das roupas, … Continuar lendo

Publicado em Carmem Macedo | Deixe um comentário

ARCABOUÇO

Em cima daquela torre O músico e a bailarina De noite tomavam porre De dia faziam rima Desciam pelas escadas Cantavam pelas esquinas Voltavam embriagados Num rastro de purpurina Até que a ventania Desnudou a bailarina Destruindo a melodia Arrancou-lhe … Continuar lendo

Publicado em Carmem Macedo | Deixe um comentário

AS RUGAS DA ALMA – Como fazer uma plástica?

A partir do poema que postei, intitulado Dores e Lembranças, e dos excelentes comentários de tantos amigos inteligentes que vieram acrescentar suas idéias e trocar experiências de vida, vi-me refletindo mais profundamente sobre o tema. É verdade insofismável que todos … Continuar lendo

Publicado em Carmem Macedo | Deixe um comentário

DORES E LEMBRANÇAS

A mulher que me habitava Era ela. E ela era eu. A deusa que se pensava, Essa, Há muito morreu… Que desespero remexer guardados Colocar a vida em dia. Que sofrimento me dá Ver que nessas gavetas moribundas Um pouco … Continuar lendo

Publicado em Carmem Macedo | Deixe um comentário

CARICATURA

No frustrante papel de si mesmo Muita gente não sai do papel Garatujas, meras caricaturas Rabiscam sua figura, Mistura de sonho e fel Sobem ao palco, dia após dia, Vestem máscara da alegria Mas o riso, como esgar, Fica preso … Continuar lendo

Publicado em Carmem Macedo | 1 Comentário

BAND-AID

E ao amigo que pergunta: Como é que você está? Eu prontamente respondo: – Comme si, comme ça. Colocando curativos Nos maus-tratos afetivos, A que tenho sido submetida, Enquanto a sutura Não fecha a ferida, Definitiva, Que teima em não … Continuar lendo

Publicado em Carmem Macedo | 1 Comentário

AMOR E SAUDADE (POEMA DARK)

Tenho chorado de saudades Do que fui e do que não sou. De mim, de ti, e meu avô. Tenho vivido uma fase, De reencontros E revisões de valores. De desencontros, Mortes, ruínas e dores. Sem máscaras, às claras, Revejo-me … Continuar lendo

Publicado em Carmem Macedo | Deixe um comentário